Diário de bordo

Pois bem, tenho andado sumido mais uma vez, essa rotina de blog ainda tá requerendo muito da minha criatividade, e a faculdade também não tá colaborando, então… enquanto nada vem em mente, vamos usar o que eu tenho feito atualmente, relacionado ao mundo nipônico, pra criar um post com alguma coisa que tem que ser interessante para qualquer pessoa além de mim. Por isso esse texto será uma espécie de comentários de como andam as minhas aventuras pelos 4 oceanos, e a infinidade de episódios que somem além da Grand Line de One Piece.

Lembrando que tentei conter ao máximo os spoilers, porém um ou outro acabaram dando as caras, mas nenhuma revelação importante para o enredo, ou seja, não estraguei nenhum plot ou qualquer explosão de cabeça, fiquem tranquilos, seus miolos não se salvarão lendo isso.

Estou atualmente no episódio 92 de One Piece, e esperando ansiosamente pela terceira abertura, já que a segunda perto da primeira (que é incrível só para constar) é muito fraca, mesmo nem sendo tão ruim assim. Enfim, acabei de conhecer mais um integrante do bando nos últimos episódios o Chopper, que é muito mais fofo e divertido do que eu imaginava. Mas, vamos parar, antes que você se engane, o objetivo não é comentar cada episódio que eu me lembro, mas falar as minhas expectativas e visão geral de como a obra funciona, do que ela é, do que eu esperava e tudo mais.

Quando inventei de começar a assistir o anime pirateado esperava entender o porquê de tanto sucesso e de tantos fãs ao redor do mundo que o homem borracha e sua trupe possuem, mas conforme eu ia vendo os episódios a resposta não me aparecia. Eu já estava roendo as unhas esperando a hora em que eu subiria na cadeira e tentaria esticar meus braços citando todos os “Gomu Gomu no”s que eu lembrasse, mas tais situações só aconteciam na primeira abertura (que me fazia sentir como nos velhos tempos de Naruto). E isso me deixava totalmente confuso, eu não via nas pequenas lutas iniciais ou nas situações criadas e, em alguns momentos, até nos personagens nada muito atrativo pra o anime ser tão famoso assim, os únicos momentos em que a qualidade subia e se via algo que realmente me impressionava eram nas histórias de vida dos protagonistas, e eram esses momentos os que mais me instigavam e me mantinham acreditando que o verdadeiro One Piece estava prestes a se mostrar.

É como eu disse a um amigo, que não assiste o anime, por telefone, em um momento você está assistindo o anime e tá tudo normal, com um clímax na hora do clímax, a apresentação dos personagens novos, os momentos engraçadas de descontração depois de algo tenso, e quando você acha que está acostumado com o ritmo da série, algo acontece que vira tudo ao contrário 3 vezes, e você fica totalmente espantado, ou encantado com algum personagem, ou até mesmo chocado com alguma revelação. Toda a situação que eles estão se transforma, com reaparição de personagens antigos, o desenvolvimento de personagens principais e secundários, o entrelaçamento da trama com vários acontecimentos relevantes e tudo isso de forma simultânea.

O que me parece mais lógico é que ele (o autor, que seria bilionário se perdesse tudo que tem, Eiichiro Oda) resolveu começar de forma bem leve, sem forçar muito o leitor, no caso telespectador, colocando os personagens em situações mais simples e dinâmicas para nos mostrar melhor a personalidade de cada um e para nos acostumarmos com eles. Na minha opinião comparando com os antigos animes considerados o tripé da Jump (One Piece, Naruto e Bleach) One Piece é o que tem o começo mais fraco, como eu disse o único momento que se destacou pra mim eram as histórias do passado dos personagens, as lutas que são coisas que costuma me cativar nesses tipos de anime não me chamavam a atenção, uma coisa ou outra era até legal, mas nada me parecia muito criativo e digno de toda a fama do mangá mais vendido do mundo. Eu sempre ficava pensando, “aaah mas tal luta de Naruto era muito mais inteligente e emocionante”. Então eu estive sempre assistindo procurando a resposta do sucesso. Qual a fórmula? Qual o segredo? Onde está o One Piece?

E só foi agora, com o começo da saga dos Baroque Works, que eu pude sentir que “a porra ficou séria”, a trama começou a se envolver de uma forma muito diferente do que havia sido mostrado nos episódios anteriores, vários acontecimentos simultâneos e relevantes se misturaram com uma trama maior ainda (como eu disse alguns parágrafos atrás), se reunindo a aparição de um novo personagem (Tony Tony Chopper) e uma nova história de vida, que por sinal foi a melhor até agora, na minha opinião. São conflitos surgindo de todos os lados e sendo desenvolvidos ao mesmo tempo, você não sabe no que deve prestar atenção, não consegue arranjar uma brecha pra descansar os olhos, porque tá tudo muito rápido, tá tudo muito bom!

Bem, acho que esse é o máximo que posso dizer sem contar mais spoilers. Fechando com uma dica final, um ensinamento para toda a vida de vocês jovens leitores que se deliciam nesse mundo de desenhos de olhos grandes, não deixem de assistir algo pelo tamanho, mas sim pela qualidade. Não deixe de assistir a One Piece, por exemplo, por ele ter 600 episódios (572 até este exato momento para ser exato), por mais que pareça muita coisa, acredite você vai se divertir muito no caminho para ficar contando quantos episódios faltam, além do que, o leve vício que se adquire assistindo algo que nos agrada faz com que vejamos muito episódios em pouco tempo, então não tem perigo de você se perceber em um mundo pós-apocalíptico quando sair do quarto depois de uma maratona vendo todos episódios em um mês (se é que é possível). Então vão em frente, sem medo, se for bom vai valer a pena, lembrando que isso não serve apenas para animes de piratas que esticam. E é claro que nunca devemos esquecer a dica do último post (que pode ser lido clicando aqui) se não gostou, sempre é possível dropar.

E então, que tal dessa vez, ao invés de eu me humilhar novamente implorando pelos comentários de meus leitores tão intelectuais e rigorosos, fazermos uma pequena competição? Comentem em quanto tempo assistiram One Piece ou qualquer outro anime e o número de episódios assistidos? Quem mentir o menor tempo tiver o menor tempo, considerando o número de episódio do anime, ganhará um parabéns em rede nacional quando eu for chamado para fazer um podcast ao vivo sobre a supremacia dos macacos sem rabo que viram Gokus à lua cheia. Acreditem tudo pode acontecer pra quem acredita no símbolo de convicção que desafia aquilo que é considerado impossível, a caveira com ossos cruzados. Que Gold D. Roger o tenha, Dr.Hiluluk.

 

172_render_cover16

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s